Perguntas frequentes

Os implantes podem ser usados para substituir um ou mais dentes ausentes. A sua grande vantagem em relação às pontes sobre dentes reside no facto de ser necessário desgastá-los para que possam suportar uma ponte. Em caso de dentes íntegros, o facto de desgastá-los poderá enfraquecê-los. Por outro lado, a durabilidade de uma coroa sobre dentes é de 10-12 anos enquanto um implante poderá durar um periodo de tempo significativamente maior.

Após extrair um dente deverá aguardar-se a cicatrização que, de uma maneira geral, fica completa aos 3 meses. No entanto, existem casos em que poderá ter que se aguardar um pouco mais. Pelo contrário, há situações em que é possível fazer a extracção do dente e colocar o implante de imediato. Nestes casos, é muito frequente ser necessário a utilização de enxertos ósseos.

Quando se pondera a possibilidade de fazer um implante devemos avaliar a situação clínica. Existem casos que apresentam uma boa qualidade e quantidade óssea que permitem fazer estética/carga imediata, ou seja, coloca-se o implante e a coroa no mesmo dia. Por outro lado existem situações em que este tipo de tratamento está desaconselhado devendo optar-se por colocar o implante, aguardar pela cicatrização e só depois fazer a parte da coroa.

Por vezes, a qualidade e a quantidade óssea não são as ideiais. Nestas situações, é por vezes necessário fazer cirurgia de enxerto ósseo antes ou durante a colocação do implante. Por esta razão, está desaconselhada a colocação imediata da coroa.

O desconforto após cirurgia está dependente da sua extensão e da sua complexidade. Regra geral, os pacientes tomarão uma pré-medicação sendo que, depois da cirurgia, devem cumprir rigorosamente as indicações que lhe forem dadas. Por vezes, por uma questão de desconforto e não de dor, pode estar indicado um periodo de repouso em casa. No entanto, não é frequente que este tipo de cirurgia interfira com o dia-a-dia normal.

Apesar dos implantes serem estruturas artificiais, estes estão rodeados pelo osso e pela gengiva. Da mesma forma que acumulação das bactérias pode causar problemas nos dentes e nas estruturas que os suportam, as bactérias em redor dos implantes também podem afectar estas estruturas. A partir do momento em que se coloca um implante e a sua porção exterior fica exposta ao meio ambiente da boca passará a ser sempre necessário fazer uma higiene oral em seu redor, minimizando a probabilidade de infecção.

É possível colocar os dentes num só dia ou nas primeiras 24h após a cirurgia de implantes mas apenas dentes com carácter provisório. Para que a função e estética sejam restabelecidas, a fase de terapia com restaurações provisórias é fundamental para o sucesso das restaurações finais que apenas podem ser efectuadas após determinados períodos de cicatrização que variam dependente da intervenção em questão.

Dependente da extensão do defeito ósseo após perda dentária poderá não ser possível a regeneração completa dos tecidos gengivais. Muitas vezes o Prostodontista tem que recorrer a gengivas artificiais para mascarar estes defeitos.

Os estudos cientificos demonstram que os implantes duram, potencialmente, mais do que 30 anos, em situações de manutenção ideais. Para que os implantes durem o máximo de tempo possível dever-se-á sempre efectuar uma higiene oral o mais correcta possivel bem como ir frequentemente ao Médico Dentista para que este avalie a situação clínica.

As doenças periodontais são doenças que afectam a gengiva e o osso que suportam os nossos dentes. A causa principal para os problemas de gengiva é a acumulação de bactérias (Placa Bacteriana) sobre as raízes dos dentes que levam a uma inflamação da gengiva e consequentemente à destruição do osso de suporte.

O tratamento das doenças periodontais é feito em diferentes fases. Em primeiro lugar deve-se eliminar o melhor possível as bactérias que estão na superficie das raízes dos dentes, fora e dentro da gengiva. Depois desta fase estar completa, esperar-se-á um periodo de cicatrização para avaliar como é que a gengiva responde. Em casos mais avançados, poder-se-á que ter que recorrer a cirurgia gengival.

A hemorragia das gengivas deve ser vista como um sinal de alerta na medida em que isso apenas acontece quando estas estão inflamadas. Quando o tratamento se inicia e as bactérias são eliminadas, começar-se-á a verificar uma diminuição da inflamação e, consequentemente, a hemorragia gengival também diminui até que desaparece quando o tratamento estiver completado.

Embora a Periodontite seja uma infecção porque é causada por bactérias, esta não é, supostamente, contagiosa.

Apesar dos problemas periodontais serem acompanhados pela perda de osso em redor dos dentes, nem sempre existe um compromisso. Caso seja necessário (por exemplo para colocar implantes) poderá sempre recorrer-se a um enxerto ósseo para colmatar eventuais deficiências na quantidade óssea.

A duração da cirurgia está dependente do número de implantes ou de dentes que tenham que ser submetidos a cirurgia. Em cirurgias mais extensas, existe sempre um intervalo de descanso para repousar.

Os implantes são, regra geral, colocados sob anestesia local. A cirurgia é indolor e está associada a um desconforto mínimo ou inexistente, para além daquele que pode eventualmente ter durante a anestesia. No entanto, Pacientes mais ansiosos ou com preferências especiais podem efectuar a cirurgia de colocação de implantes sob sedação ou anestesia geral.

A Cirurgia de colocação de implantes não está asssociada a dor. De uma forma geral, o desconforto relatado por pacientes é mínimo, circunscrito à anestesia.

A osteoporose não impossibilita a colocação de implantes. Poderá ter que se aumentar o período de tempo desde a colocação do implante até à colocação da prótese em virtude do osso não ter tão boa qualidade. No entanto, caso esteja a tomar bifosfonatos, deverá sempre avisar o seu Clínico.

A diabetes não impossibilita a colocação de implantes. No entanto, é imprescindível que a diabetes esteja adequadamente controlada antes de avançar para a cirurgia.

Após um correcto e completo tratamento da Periodontite poderá ser colocado um aparelho ortodôntico. No entanto, enquanto o Paciente estiver a utilizar um aparelho é importante que o paciente seja vigiado com regularidade para que a situação gengival se mantenha estável.

Pacientes com problemas cardíacos podem colocar implantes com a máxima segurança desde que estejam correctamente controlados. Os blocos operatórios estão equipados com aparelhos para monitorizá-los, ao longo de toda a cirurgia.

Apesar dos implantes serem constituídos por titânio, isso não faz com que, ao passar nos controlos do aeroporto, faça despoletar um alarme.

Hoje em dia, com a qualidade e com a eficácia dos analgésicos e anti-inflamatórios a probabilidade de se ter efectivamente dores é bastante baixa. Obviamente, que existe algum desconforto associado à realização de cirurgia.

A Periodontite tem vários graus de severidade. Quando as bolsas periodontais são muito profundas, a fase inicial do tratamento pode não ser suficiente para as desinfectar totalmente. Por essa razão, em casos de Periodontite Severa, é muitas vezes necessário fazer cirurgia para tratar completamente as bolsas e poder, assim, estabilizar a situação periodontal.

Começamos por assegurá-lo que na Clinica Alcoforado teremos a maior atenção ao seu bem-estar e conforto. Dispomos de uma variedade de anestésicos locais potentes e eficazes para que todos os tratamentos que fazemos sejam feitos sem dor. Se a sua ansiedade persistir dispomos de meios para combatê-la: na Clinica Alcoforado temos ao seu dispor uma sedação consciente leve, que o deixará mais relaxado durante os procedimentos. Esta sedação tem a vantagem de ter efeito apenas enquanto é administrada, sendo o seu tempo de recuperação muito curto, podendo guiar para casa e retomar as actividades diárias normais quando a consulta acabar!

A cárie é uma doença infecciosa que se manifesta pela desmineralização do dente, provocada pelos produtos resultantes da digestão bacteriana.

As cáries iniciam-se sempre na camada mais externa do dente (esmalte), onde não há inervação. Se a cárie não for tratada, progride para a camada intermédia (dentina) onde há já condução de estímulos nervosos. A sucessiva progressão da cárie levará a que penetre na camada mais interna do dente (polpa), onde está o nervo, causando dor.

Sim, um dente desvitalizado pode ter cárie. Para haver cárie é preciso estrutura dentária (esteja o dente vital ou não), placa bacteriana e susceptibilidade do hospedeiro.

Todos os anos, milhões de dentes são tratados e salvos com tratamento endodôntico, também conhecido como desvitalização ou tratamento de canal. O tratamento endodôntico trata o interior do dente, e torna-se necessário quando o tecido nervoso que está dentro do dente está inflamado ou infectado (por cárie profunda, traumatismo, fractura entre outras causas). Se a inflamação pulpar não for tratada pode levar a uma infecção no osso, um abcesso ou dor. Durante a desvitalização o tecido nervoso é retirado do interior do dente, e o dente é preenchido com um material biocompatível para que possa continuar em função.

O tratamento endodôntico torna-se necessário quando o tecido nervoso que esta dentro do dente está inflamado ou infectado (por cárie profunda, traumatismo, fractura entre outras causas). Se a inflamação ou infecção não for tratada. pode levar a a uma infecção no osso, um abcesso ou dor.

Não! Hoje em dia temos ao nosso dispor uma variedade de anestésicos locais potentes e muito eficazes para que esteja completamente confortável. Diga-nos se estiver preocupado ou ansioso com o seu tratamento, pois temos uma variedade de soluções para combater a ansiedade ou medo com vindas ao dentista, nomeadamente a sedação consciente com protóxido de azoto.

Não, o tratamento endodontico não enfraquece os dentes. Contudo a perda de estrutura dentária por cárie (que levou à necessidade do tratamento endodôntico) faz com que sejam mais frágeis, por isso muitas vezes é recomendado reforçar o dente após o tratamento endodôntico.

Sim, as grávidas podem ir ao dentista. Contudo devem ser feitos tratamentos minimamente invasivos, ou que exijam a toma de medicamentos, desde que isso não represente um risco de infecção. É mais danoso para o feto uma infecção persistente do que o tratamento dentário. Durante a gravidez não são aconselhadas radiografias.

O branqueamento dentário resulta. Há várias modalidades de branqueamento que devem ser adequadas a cada pessoa. Restaurações prévias não sofrem acção branqueadora.

Um prostodontista é um dentista especializado em tratar e gerir o tratamento de problemas dentários e faciais que envolvem a restituição de dentes perdidos e estruturas ósseas. Um prostodontista é um especialista na área estética, implantologia, coroas, dentaduras e desordens temporo-mandibulares. (fonte American College of Prosthodontics)

Escolha um prostodontista por causa da sua experiência extensa, conhecimento avançado, eficiencia e do seu conhecimento da tecnologia corrente. Um prostodontista é um especialista na restauração e substituição de dentes que completou o curso de Medicina Dentária generalista mais 3 anos de treino avançado e educação num programa de graduação acreditado. O prostodontista providencia um alto nível de tratamento aos pacientes que têm dentes ausentes ou que possuem trauma extenso na dentição presente. Os Prostodontistas lidam ainda com defeitos congénitos com o intuito de devolver estética e função.